888集团网站手机版安卓下载

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

888集团网站手机版安卓下载A Agência Brasileira de Cooperação (ABC), criada em 1987, é a unidade do Ministério das Relações Exteriores (MRE) responsável por planejar, coordenar, negociar, aprovar, executar, acompanhar e avaliar a cooperação do exterior para o Brasil e a cooperação do Brasil para o exterior.

A ABC coordena o sistema nacional de cooperação técnica e humanitária no País.

A Agência atua de acordo com as diretrizes da política externa brasileira e conforme as prioridades nacionais de desenvolvimento, tendo como referência principal a Constituição Federal que, no seu artigo 4º, inciso IX, afirma que “a República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais”, entre outros, pelo princípio da “cooperação entre os povos para o progresso da humanidade”.

888集团网站手机版安卓下载Os programas, projetos e atividades de cooperação técnica desenvolvidos pelo governo brasileiro abarcam todas as áreas do conhecimento, sob as modalidades bilateral, trilateral, regional, multilateral ou com blocos de países. 

Cooperação do exterior para o Brasil

A cooperação técnica do exterior para o Brasil constitui importante instrumento para o desenvolvimento nacional, auxiliando o País a promover mudanças estruturais, com a capacitação de instituições dos três níveis da federação, via compartilhamento de tecnologia e conhecimento ainda não dominados pelas entidades nacionais.

A cooperação do exterior para o Brasil, que já acumula mais de 7 mil iniciativas, atua em duas modalidades: multilateral e bilateral. A primeira ocorre com um organismo internacional, enquanto que a segunda, com um país desenvolvido.

Cooperação do Brasil para o exterior (cooperação Sul-Sul - CSS)

A cooperação técnica do Brasil para o exterior (cooperação Sul-Sul - CSS) desenvolve-se em resposta a demandas recebidas de governos estrangeiros, por canais bilaterais ou via organismos internacionais com os quais a ABC mantenha programas de cooperação trilateral. Nessa vertente, as iniciativas podem ser bilaterais, trilaterais ou com blocos de países.

A ABC acumula a realização de mais de 3.000 projetos de CSS, em pelo menos 108 países da África, América Latina, Ásia, Caribe, Europa e Oceania, com a participação de mais de 120 instituições brasileiras reconhecidas por sua excelência técnica ou experiência comprovada em soluções para o desenvolvimento econômico e social. A Agência também opera por meio de alianças estratégicas com países desenvolvidos, além de parcerias com 45 organismos internacionais e blocos de países.

A cooperação técnica do Brasil para o exterior se vale da capacidade instalada de instituições nacionais especializadas, sem necessidade de recorrer à mobilização de vultosos recursos financeiros para que seja implementada.

Cooperação descentralizada

É cada vez mais frequente a realização de iniciativas de cooperação internacional com estados e municípios brasileiros – a "cooperação descentralizada". Por meio da ABC, o governo federal mantém contatos regulares com as entidades federadas, com o objetivo de criar instrumentos que apoiem essa modalidade de cooperação, facilitando a interlocução e a troca de informações. Essa modalidade de cooperação técnica visa, igualmente, ao compartilhamento de conhecimentos e práticas exitosas entre instituições públicas de unidades federativas brasileiras e instituições públicas de unidades federativas de países parceiros.

No cumprimento de suas atribuições institucionais, a ABC publica manuais técnicos e mantém sistemas de informação para fins de registro e monitoramento de programas de cooperação com governos estrangeiros e organismos internacionais. Esse trabalho envolve parcerias institucionais com órgãos como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Os manuais técnicos e sistemas de informação constituem diretrizes e subsídios muito relevantes para que as entidades nacionais cooperantes estruturem adequadamente as propostas de projetos de cooperação e se habilitem a acompanhar sua implementação.

Fim do conteúdo da página